Início » Sobre a REJUPE



A cada passo a rede se fortalece e amplia seu relacionamento, compartilhando ideais e esforços com adolescentes, grupos e organizações que também se dedicam para que o Brasil faça diferença nesta década dos megaeventos esportivos.

A cada passo a rede se fortalece e amplia seu relacionamento, compartilhando ideais e esforços com adolescentes, grupos e organizações que também se dedicam para que o Brasil faça diferença nesta década dos megaeventos esportivos.


O que é a Rejupe?

A Rede de Adolescentes e Jovens pelo Direito ao Esporte seguro e Inclusivo, também conhecida como Rejupe, é um espaço de participação e integração formado por adolescentes brasileiros com o objetivo de proporcionar a troca de experiências entre adolescentes, jovens e grupos de participação cidadã de diversas regiões do país para consolidar ações de defesa e promoção do direito a esporte seguro e inclusivo, para todas as crianças e adolescentes do Brasil, assim como iniciativas que incidam diretamente no planejamento e construção de um legado social positivo para os megaeventos esportivos desta década.

Com essa motivação, a Rejupe se articula e mobiliza esforços dirigidos aos seguintes objetivos:

  • Incentivar a participação cívica dos adolescentes para a defesa e promoção do direito ao esporte seguro e inclusivo
  • Sensibilizar e mobilizar adolescentes para integrá-los nas discussões pelo direito ao esporte
  • Promover a colaboração com organizações e instituições sociais, como escolas, clubes esportivos, ONGs, assim como com governos, Comitês da Copa, Olimpíadas e Paraolimpiadas e outras entidades, que possam fortalecer o debate e as ações que promovam o direito ao esporte para toda criança e todo adolescente
  • Estimular a representatividade dos adolescentes na elaboração de políticas públicas relativas ao direito ao esporte e ao legado social dos megaeventos esportivos esperados nesta década
  • Empoderar os adolescentes brasileiros para que eles sejam ouvidos pelas autoridades responsáveis pelo esporte e também pelas autoridades que defendem os direitos das crianças e dos adolescentes

como surgiu essa iniciativa?

No ensejo de envolver os adolescentes nas discussões sobre o direito das crianças e adolescentes ao esporte seguro e inclusivo, o Unicef em parceria com o IIDAC, IEE, SESC e CEDAPS, realizou o Encontro dos Adolescentes pelo Esporte Seguro e Inclusivo (6 e 7 de abril de 2011, no Rio de janeiro, Brasil), do qual participaram 202 adolescentes de diversas redes e grupos de participação e protagonismo, clubes esportivos e de outras organizações procedentes de 11 estados brasileiros. Com base nos debates e nas necessidades apontadas pelos adolescentes para a garantia do direito ao esporte e com o apoio estratégico do Unicef e do IIDAC, nasceu a Rede de Adolescentes e Jovens pelo Direito ao Esporte Seguro e Inclusivo (Rejupe).

Convencidos da necessidade de expandir os debates sobre o direito ao esporte e as discussões pelo legado social dos megaeventos esportivos em seus estados, os adolescentes representantes da Rejupe se reuniram em Brasília, nos dias 27 e 28 de outubro de 2011, para discutir possíveis linhas de atuação e definir as diretrizes para mobilização e articulação da Rejupe nas 12 cidades-sede da Copa do Mundo de 2014.

Faça download do Plano de Ação Nacional da Rejupe

Rejupe nas 12 capitais

Sua cidade, junto com os outros 11 centros urbanos que abrigarão a realização desse grande evento esportivo, é um centro de decisão no que diz respeito a grandes obras, mobilidade urbana, infraestruturas, políticas públicas na área de sanidade, transporte, turismo, meio ambiente, etc. A capital do estado em que você mora será submetida a grandes mudanças por conta do status de “cidade-sede”. É por isso que, entre suas ações estratégicas, a Rejupe planejou levar os debates a esses estados para que os adolescentes reflitam sobre o impacto dos grandes eventos esportivos na garantia do direito ao esporte seguro e inclusivo e proponham ações visando ao aproveitamento de todos os benefícios sociais que esses grandes eventos podem deixar para o país.

Direito ao Esporte

O esporte é um direito universal e fundamental de todo ser humano e como tal todos devemos ter as possibilidades e facilidades para alcançar a efetiva realização desse direito. A prática esportiva traz inúmeros benefícios, essenciais para que indivíduos de todas as idades possam ter uma vida saudável e gratificante. O esporte estimula a participação, o senso de equipe, a autoconfiança, a autoestima, a consciência do eu como cidadão, a comunicação, a interação social e uma série de fatores importantes para viver em sociedade.

No Brasil, a Lei Pelé – Lei nº 9.615, de 24 de março de 1998 – elaborada e promulgada a partir da Constituição, é o marco legislativo que rege o funcionamento do esporte no país. Segundo essa lei, existem três formas básicas de práticas esportivas: o esporte de rendimento, o esporte de participação e o esporte educacional. Seja ela opção profissional ou recreativa, o certo é que a prática esportiva exige condições apropriadas e favoráveis aos esportistas. O acompanhamento de um especialista para diminuir os riscos da atividade é um exemplo. Mas, quando se fala em direito ao esporte, considera a segurança é importante, mas não é suficiente. Existe um outro lado igualmente necessário: a inclusão. Isso significa dizer que todos os cidadãos, sem exceção, e mais concretamente as crianças e adolescentes têm direito de usufruir desse direito, por se encontrar em uma fase crucial para seu desenvolvimento, constituindo o esporte um veículo educativo excepcional.

Legado Social

A Copa do Mundo e os Jogos Olímpicos e Paraolímpicos serão realizados no Brasil em 2014 e 2016, respectivamente. Esses megaeventos esportivos trazem consigo uma série de oportunidades e benefícios para o país, incluindo grandes investimentos, resultando em grande infraestrutura, no desenvolvimento do sistema de apoio, no aumento de oportunidades de emprego e na promoção do turismo, além da honra de receber dois eventos de tal prestígio.

Esses megaeventos, sem dúvida, deixarão um legado para o país. A questão é o legado social que esses megaeventos trarão, e como as crianças e adolescentes do Brasil e ao redor do mundo se beneficiarão desse legado social. Para que crianças e adolescentes possam ser beneficiados por tal legado, é necessário ampliar o olhar sobre essas possibilidades de desenvolvimento e de garantia de direitos. Essa tarefa deve ser assumida por diversos agentes em nível nacional, incluindo as autoridades, que podem influenciar na condução do conglomerado de bens materiais e imateriais gerados a partir desses megaeventos na construção de uma “política de esporte para todos”.

Parceiros

O Instituto Internacional para o Desenvolvimento da Cidadania (IIDAC) e o Fundo das Nações Unidas para a Infância (Unicef) acreditam na participação cidadã dos adolescentes como ação promotora das grandes transformações sociais, por isso, apoiam essa Rede em parceria com instituições públicas e privadas das 12 cidades.

CONHEÇA E COMPARTILHE ESTA EXPERIÊNCIA!

Contato

Unicef

Noemi Perez
nperez@unicef.org
(61) 3035.1993

Gabriela Mora
gmora@unicef.org
(61) 3035-1956

IIDAC

Gilbert Scharnik
gilbert@iidac.org
(62) 3098.0350

Anderson Lucas
lucas@iidac.org





Copyright © 2017 REJUPE. All rights reserved